Um leve toque rústico

Por: Vinicius Reimberg Santos

Todos nós ao menos uma vez já reclamamos sobre o estresse da cidade, de como é bom ir e sentir o campo e o interior, algumas pessoas já até tiveram o prazer de passar uma “temporada” ao ar livre, então… Por que não trazer isso para a sua casa?

Como já dizia o grande arquiteto Mies Van Der Rohe,

“Deus está nos detalhes!”

Na sua próxima viajem, traga (se não tiver na casa da sua avó) uma peça bem rústica, ou antiga para dar o toque final e fino no seu Decór. No caso da foto acima eu usei como destalhe o tapete de couro de boi, muito usado alguns anos atrás.

O uso de uma peça que chama à atenção por seu estado natural pode ser uma atração incrível na sua casa, seus convidados muitas vezes não notarão o seu porcelanato, mas sem dúvida não esquecerão a mesa de centro feita de peroba-rosa!

Uma empresa que têm ambas?

Novo Zelo Antiguidades

FOTOS: Google Images

Anúncios

O mito Van Der Rohe

Ele foi o pioneiro do minimalismo, das formas limpas e simples. “Less is more” e “God is in the Details” – eram seus lemas.

Ludwig Mies van der Rohe – Completaria 126 anos hoje.

Nascido em Aachen, na fronteira alemã com a Holanda, em 27 de março de 1886, Mies van der Rohe nos dá a chave para a compreensão de sua arquitetura ao comentar, em um artigo publicado em 1961, a influência que as construções de sua cidade natal, a antiga capital do Sacro Império Romano Germânico, exerceu em sua obra.

Os projetos de Mies são, às vezes, completamente ideais, somente espaço, como seus arranha-céus de vidro de 1922 ou a residência Farnsworth, nos EUA, de 1950. Em outros, matéria e espaço interagem em um jogo constante, como na residência Tugendhat de 1931, patrimônio histórico da humanidade, na cidade tcheca de Brno.

(Farnsworth House)

Mies estava no auge de sua carreira na Alemanha, quando foi convidado para projetar o pavilhão alemão para a Feira Mundial de Barcelona em 1929, hoje ícone da modernidade. Em 1930, ele assumiu a direção da Bauhaus, em Dessau.

(Farnsworth House)

Em abril de 1932, os nazistas fecharam a Bauhaus. Mies a transferiu, com financiamento do próprio bolso, para um galpão industrial em Berlim-Steglitz. Em julho de 1933, ela foi novamente fechada pelos nazistas, que a consideravam “bolchevismo cultural”.

(moveis projetados pelo arquiteto na época que ainda era professor na BAUHAUS)

Mies não se considerava uma pessoa politizada. É interessante seu comentário sobre um colega que havia trabalhado para os nazistas: ”Não o desprezo por ser nazista, mas por ser mau arquiteto”.

(interior da Farnsworth House)

Os anos de 1930 não foram fáceis para Mies, que não conseguia construir e vivia dos móveis que havia projetado. Emigrou para os EUA em 1938, aceitando o convite para dirigir o departamento de arquitetura do Instituto de Tecnologia de Illinois, em Chicago, cujo campus também projetou.

Mobiliário

Já identificado com as novas tendências da arquitetura, Mies é convidado a lecionar na escola vanguardista de arquitectura Bauhaus, fundada pelo seu colega – e crítico – Walter Gropius. Pertencem a este seu período algumas peças de mobília medieval, onde aplica antigas tecnologias artesanais, que viriam a se tornar particularmente populares até os dias de hoje, como a Cadeira Barcelona e a Cadeira Brno sem dúvida, são seus maiores feitos em matéria de mobiliário.

Para uma pesquisa mais completa e a bibliográfia de Mr. Van Der Rohe no site DW notícias

um otimo site para visualização do mobiliário de Van Der Rohe na Essência

O Mito